Wednesday, August 4

impagável

não há aumento de impostos que possa contradizer ou contrariar ou mesmo colocar em questão a justeza do seu pagamento .....

recordeçe que a troco dos nossos impostos o Estado nos fornece serviços e ajudas e politicas inestimáveis e necessárias que resultam do entendimento pós renascentista do contrato social nas suas versõeis mais funestas de Hobbes ou mais optimistas de Rousseau.....

entre nós pode bem ser que o Estado não nos devolva os impostos com serviços de educação ou de saude de qualidade nem com sistemas de segurança e de justiça com um minimo de lógica coerência e estabilidade mas....

há que reconhçer que em nenhum outro país o cótidiano é tão inverosimil e divertido como entre nózes .... é mesmo impossível pagar impostos a mais ...por cada aumento de impostos o Estado devolvenos um dia-a-dia verdadeiramente absurdo mas sempre renuvado de surpesas e coisas imprevisíveis e bizarras verdadeiramente inultrapassáveis mesmo pelas melhores pruduções com efeitos especiais de hóliude

5 comments:

Animal said...

podiamus dar uns cursos de criatividade para argumentistas de óliúde com issues de writer's block

Anonymous said...

Para a comedia que temos ainda pagamos poucoxinho....

pézinhos na areia said...

Uma das últimas graçinhas do PEC

levantamento de sigilo bancário para atribuição do abono de família

Fodassssssssssse

isto é um ataque à minha sanidade mental para além de outros adjectivos....

MONKO said...

ISTO É O MANICÓMIO A CEU ABERTO,JÁ INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO.
COMO NÃO RECEBO NADA DO ESTADO,POIS A MINHA PENSÃO E SISTEMA DE SAUDE É PRIVADO.LIMITO-ME A VER AS AFLIÇÕES DOS MEUS FAMILIARES.
NA ENTANTO ESPANTA-ME ESTA PASSIVIDADE BOVINA DO PEÇOAL,QUE AGUENTA TUDO E MAIS ALGUMA COISA SEM REFILAR.
HÁ UM ARRUFO OU OUTRO SEM IMPORTÂNCIA.
QUANTO AO CIRCO A PALHAÇADA ESTÁ EM GRANDE.

Pedro Silva said...

A velha máxima lusitana de que mais pouco do que nada... E os abutres vão-se aproveitando para deixarem cair umas migalhas ao resto dos galináceos que se contentam enquanto vão sendo espoliados do que é por direito próprio de todos.